Corpo perfeito, mente sã

A busca pelo peso ideal, via redes sociais, nem sempre é o melhor caminho

Larissa Lago

O sonho do corpo perfeito é antigo: a televisão e as revistas para o público feminino são alguns dos responsáveis pela propagação desta imagem. Com as redes sociais, a busca se espalhou de forma mais rápida e facilitou a procura por soluções imediatas para alcançar o tal padrão. Basta um clique para encontrar dietas, exercícios aeróbicos e exemplos de inspiração. Os perigos também aumentaram e os cuidados precisam ser redobrados.

Allan Freire, 28 anos, é advogado e participou de um grupo na rede social WhatsApp por sete semanas com o intuito de perder peso. Ele conheceu o método por intermédio da mãe de um amigo, que também fez a dieta e conseguiu emagrecer.

“O grupo veio de Ipameri, em Goiás, então eu não tenho ideia de quem administra. Mas como ela fez e deu certo, eu entrei. Era basicamente comer na hora certa em quantidades certas. Eu me interessei e ela criou um grupo comigo, minha irmã e uma amiga, e nós iniciamos a dieta. Em cinco semanas, eu já tinha perdido uns 12 quilos” contou o advogado.

Para a irmã de Allan, a arquiteta Angélica Cristina Freire, 33 anos, o fato de não conhecer a procedência da dieta não foi um problema. “Essa dieta não me deixou apreensiva por não conhecer [de onde veio], pois já tinha sido feita por uma pessoa de minha confiança e ela obteve o resultado que queria”, afirmou.

Resultados

Apesar de ter seguido a dieta à risca, o resultado não foi tão rápido para Angélica como ocorreu com o irmão. Ela acredita que sua mente precisa trabalhar junto com seu corpo para conseguir alcançar o resultado desejado. “Eu recomendo e faria novamente, inclusive quero fazer em breve. Porém, acho que um trabalho psicológico precisa ser feito, no meu caso, para obter um resultado que dure”, observou.

Por três meses, Allan Freire e sua irmã limitaram a alimentação ao que estava prescrito no cardápio e aos horários definidos. De acordo com Allan Freire, o cardápio foi feito por uma nutricionista, que passou para uma determinada pessoa, que transmitiu para outra e assim por diante. Por este sistema, o participante come seis vezes ao dia, de três em três horas: café da manhã, uma fruta, no almoço, lanche, janta e ceia. O adoçante é stevia. O óleo é o de coco e o sal, o rosa.

A dieta da mente

Pelas exigências do grupo, é necessário postar fotos das refeições nos horários certos e do seu peso na balança logo pela manhã. Para Allan Freire, este processo ajuda o psicológico a manter a disciplina na hora de fazer a dieta. “Para cumprir o propósito do grupo, a gente mandava a foto do almoço e da janta. E todos os dias às 7 horas da manhã, a gente enviava uma foto do peso, para um controle mais psicológico e disciplinar”, disse o advogado.

De acordo com a psicóloga Tatiana Batistela, 25 anos, a mente pode ajudar ou atrapalhar a dieta, pois a alimentação está diretamente ligada à nossa mente. “Tirar foto da balança e publicá-la, por exemplo, é um fator motivacional pelo olhar do outro”, disse.

Em seguida, a psicóloga acrescentou: “O olhar do outro nos ajuda a nos constituirmos como sujeitos, ou seja, este olhar nos norteia para que possamos reconhecer a nós mesmos. E, ao ter esse movimento de ‘exibir-se’, o sujeito ativa esse mecanismo e isso o ajuda a manter-se incentivado”.

Superexposição

Com as redes sociais cada vez mais presentes em nossas vidas, a superexposição a um padrão de beleza, muitas vezes inalcançável, é cada vez mais comum. A psicóloga explica qual o impacto que esse padrão pode ter na mente das pessoas que desejam conquistá-lo.

A psicóloga Tatiana Batistela ressaltou que na psicanálise, há dois conceitos que explicam o processo, o Ideal de Eu e o Eu Ideal. “Estes conceitos representam aquilo que somos em nossa essência e aquilo que o outro espera que sejamos. São duas figuras que, geralmente, não são coerentes entre si”, disse.

Segundo a especialista, o corpo vitrine é almejado por todos em uma sociedade que  importa padrões. “Isso gera um impacto tanto positivo quanto negativo nas pessoas”, analisou. “Temos que ter sempre o cuidado para não perdermos nossa identidade ao nos sujeitarmos aos padrões de beleza e vida impostos.”

A rede social Whatsapp é um aplicativo de mensagens instantâneas, em que os usuários conseguem enviar fotos, vídeos, gifs, fazer chamadas de vídeo, enviar documentos em PDF, além de fazer ligações de forma gratuita por meio de conexão com internet. Para usar a rede social basta ter um smartphone e baixá-la gratuitamente.

Existe dieta certa?

A nutricionista Ranyse de Sousa Antunes, 24 anos, alerta sobre o perigo de seguir uma dieta que não foi feita exclusivamente para a pessoa que vai se submeter à alimentação balanceada. “A reeducação alimentar, assim como qualquer plano alimentar, deve ser sempre individual, portanto vai variar de uma pessoa para outra, visto que cada organismo tem suas particularidades”, afirmou.

Além do cuidado com o organismo e com o metabolismo de cada pessoa, o estilo de vida, por exemplo, é outro fator que conta bastante na hora de montar uma dieta.

“A dieta se baseia nos horários de cada paciente, estilo de vida, necessidades nutricionais, deficiência, preferências e muito mais. A dieta que não foi feita para você, não vai atender suas necessidades e pode trazer ao invés de bons resultados, problemas e prejuízo”, alertou Ranyse.

Segundo Ranyse Antunes, a dieta em grupo pode trazer resultados satisfatórios, desde que todos tenham o mesmo objetivo e façam uma consulta antes de começar, pois não adianta querer um resultado imediato e milagroso.

“Pode surgir o questionamento que às vezes os resultados não são tão rápidos, como muitos métodos oferecem por aí, porém estamos falando de emagrecer de forma saudável e para isso é necessário planejamento e dedicação”, disse a nutricionista.