A história que deve ser lembrada

Há 21 anos, a ditadura militar comandava no país, mas nem todos têm essa lembrança

Andressa Paulino e Caio Almeida

Por mais de duas décadas, de 1964 a 1985, 191 pessoas morreram e 243 desapareceram, segundo a Comissão Nacional da Verdade. Um total de 434 homens e mulheres que nunca voltaram para suas casas e deixaram um vazio nas famílias. Essa estatística não inclui vítimas de torturas nem agressões. Era ditadura militar no Brasil, a imprensa foi controlada, o Congresso seguia as ordens do governo e nas ruas havia medo e apreensão pelo dia seguinte.

Os números são cruéis e a memória mais ainda. Apesar dos dados, há entre os jovens muitos que nem pensam sobre o assunto e desconhecem parte da história do Brasil. Porém, há, exceções que consideram o tema essencial para compreensão do cenário político nacional.

Para o estudante Gabriel Lima, 14 anos, olhar para este período da história do país é pouco útil. “Vejo que é importante, mas acho que não devemos ficar voltando a isso porque devemos olhar pra frente pro futuro”, disse ele, reproduzindo o que alguns jovens pensam apesar de o tema ser explorado por filmes, livros, séries, novelas, canções e peças de teatro.

Já a estudante de ciência política, Ana Beatriz Figueiredo, 20 anos, considera inadmissível questionar se é importante estudar o assunto. “A ditadura não é algo que a gente tem que optar por saber ou não. É obrigatório termos conhecimento sobre isso”, observou a universitária. “Por ser um tema muito pesado muitos não gostam de explorá-lo, mas só conscientes das atrocidades que já fizeram ao nosso povo e ao nosso país é que teremos capacidade de moldarmos nosso futuro para que isso nunca mais ocorra.”

Ensino

A professora de história Elienaide Almeida, 59 anos, afirmou que o interesse dos alunos pelo conteúdo alterna na sala de aula. Segundo ela, se há um ou outro estudante que teve um parente ou conhecido que viveu experiências intensas durante a ditadura, o interesse da turma aumenta.

“Alguns demonstram interesse porque a avó ou o avô comentaram sobre o assunto, e durante as aulas se sentem interessados a saber mais principalmente quando o professor conta que  vivenciou e diz que acontecia durante o período. Muitos alunos não acreditam que tais coisas como falta de liberdade e tortura tivessem realmente acontecido”, analisou a professora.

Ditadura é quando o chefe de Estado ou de governo exerce o poder sem respeitar a democracia. Na prática, impõe suas vontades e dos grupos políticos que o cercam, sem respeitar o equilíbrio de Poderes, a liberdade de opinião ou de imprensa. Foi assim que o Brasil viveu por e extensos 21 anos.

O ensino sobre o período da ditadura faz parte da grade curricular do ensino fundamental e médio brasileiro. Porém, o Ministério da Educação informa que as escolas possuem autonomia didático-pedagógica para ensinar o tema de acordo com a necessidade de cada instituição de ensino.

Foto: Agência Brasil