Poder e igualdade

Tatiana Castro

A definição que temos de feminismo é de um conjunto de movimentos políticos e sociais, de ideologias e filosofias que buscam alcançar a igualdade de direitos e trazer uma vivência por meio do chamado “empoderamento feminino” e da libertação de padrões opressores de gênero. Eu me pergunto: em que momento eu me vi uma feminista?

Todos os dias somos bombardeados e bombardeadas com ofensas e estereótipos repletos de conteúdo machista e, às vezes, mal notamos. Estamos tão inseridos nessa sociedade medieval de certezas patriarcais, que nossos direitos e vontades são bloqueados ao mesmo tempo em que nossos olhos são blindados pelo ódio e a ideia de superioridade. E você se pergunta: por que ser feminista?

Então eu vou te dar alguns dados alarmantes que presenciamos diariamente  para responder à pergunta. É fato que mulheres pós-graduadas, em geral, recebem salários menores que os homens pelas mesmas funções exercidas por eles. E pasmem: uma em cada cinco mulheres já foi estuprada em algum momento da vida.

Dá para imaginar que, no Brasil, é normal achar que as roupas que uma mulher ao usar uma determinada roupa pode ser responsabilizada pelo assédio sexual que ela sofreu? E que 16% dos jovens concordam que o homem pode agredir uma mulher se ela se recusar a fazer sexo com ele?

Para agravar a situação, a Lei Maria da Penha – que pune com rigor a violência doméstica – não reduziu a estatística que aponta cerca de 5 mil feminicídios por ano no país, acrescentado ao fato de que muitas mulheres não denunciam seus agressores por medo e continuam num relacionamento abusivo.

Esses absurdos são só alguns que devem nos abrir os olhos… Não apenas por querer ter a liberdade de fazer o que eu quiser sem ser rótulos, mas para ter a liberdade de escolher sobre casamento, filhos, investimento na carreira e família. No meu caso, eu me tornei feminista porque anseio fortemente pelo dia em que as mulheres serão vistas como parte integrante de todos os sistemas e tenham suas conquistas devidamente reconhecidas.

Busco valer a vida de todas as mulheres que foram condenadas à fogueira, todas que morreram simplesmente por serem mulheres e que se calam diante do sofrimento. Espero um dia poder viver em um mundo equilibrado entre mulheres e homens sem estranhezas.

Quero meu empoderamento, minha sororidade, meu lugar ao lado e, não atrás nem à frente. Eu me tornei feminista por mim e por todas e todos…Sim, as mulheres não são as únicas que necessitam do feminismo.

Meu amigo, o machismo não desaba apenas sobre nós. Quando você é obrigado a agir de certa forma para demonstrar masculinidade, você está sendo oprimido. Quando te rotulam por gostar de algo atribuído ao “universo feminino”, você é oprimido. Quando você se sente “menos homem” e tem vergonha de assumir que às vezes não quer transar, você está se oprimindo. Você, assim como eu, está sendo oprimido o tempo todo. Eu acredito que feminismo não é só a busca pela igualdade dos gêneros, mas a luta pela quebra de qualquer opressão.

Eu repudio o ódio gratuito porque sou a favor de qualquer forma de amor. Eu não odeio os homens, pelo contrário, eu os amo tanto que os quero adeptos à luta contra a repressão aqui do nosso lado. Eu não quero que o marido receba pena de morte por bater na esposa. Eu quero que ele não se sinta no direito de bater nela e ponto final.

Não há vergonha nenhuma em ser mulher, amar seu corpo, desejar alguém hoje e querer estar sozinha amanhã. Deixar seus filhos na creche e sair para trabalhar, estudar engenharia ou arbitrar uma partida de futebol. Isso não te torna nada além de dona da sua vida e das suas vontades.

Ser feminista não faz de você um monstro! Se você ainda se pergunta: devo ser  feminista? Olhe para todas as mulheres ao seu redor, leia sobre todas as mulheres que descobriram e fizeram coisas incríveis pelo mundo, lembre-se das bruxas queimadas vivas em fogueiras públicas, das mães enjauladas e das filhas abusadas. Não se esqueça delas, lute por elas e por nós, abrace o mundo inteiro. Você faz a diferença.

Ilustração: Lumi Mae/Divulgação