Eles trocam tudo pela fé

Jovens se dedicam à religião e saem pelo Brasil em pregações

Gabriela Mota e Gláucia Cardoso

Conectados 24 horas por dia, os jovens utilizam os meios digitais para propagar a religião cristã. É assim a vida de jovens dos mais distintos credos. Com apenas 17 anos, uma adolescente do interior de Pernambuco é admirada entre jovens católicos nas redes sociais por suas pregações. Thayná Azevedo nasceu em Taquaritinga do Norte, a 134 quilômetros de Recife e hoje percorre o país evangelizando.

Thayná teve o primeiro contato com a religião por meio do tio Jorge Gomes, fundador da Comunidade Católica Kairós, da qual Thayná faz parte. Aos 13 anos, ela criou um grupo jovem em sua paróquia e deu início às suas pregações. “Estava apaixonada por essa religião, por esse modo de viver, por esse estilo de vida”, disse ela. “Eu leio bastante a bíblia e rezo muito, mas não gosto de planejar a pregação”.

Questionada sobre como conciliar os apelos e desejos da juventude com a religião, Thayná afirmou que “o pecado é atraente”. Um de seus vídeos no Youtube soma mais de 100 mil visualizações. Ela reúne ainda cerca de 12 mil seguidores nas redes sociais. “A internet é uma grande via de evangelização. Tenho feito o máximo para cuidar e fazer com que se sintam bem recebidos na Igreja”.

Missão

largam-que-largam-tudo-pela-fe-aline-brito
Thayan Hadassa é uma jovem adventista apaixonada pela religião

Foto: Aline Brito

Criado pela Igreja Adventista do Sétimo Dia, o projeto Missão Calebe está em vários locais do Brasil e da América Latina. Com o propósito de propagar a fé, jovens e adolescentes trocam as férias por estudos bíblicos. A brasiliense Thayan Hadassa, 18 anos, participou pela primeira vez do projeto em julho deste ano, na cidade de Padre Bernardo, em Goiás.

“Eu me tornei mais cristã. Você vê que as pessoas precisam, aprende a respeitar o outro e ter mais fé”, disse ela. “Aprendi que o mundo não vai me satisfazer, vejo isso em pessoas próximas, elas não são completas, o mundo oferece muita coisa boa, porém, quando saem dali, não se tem nada, mas eu tenho”.

fe-glaucia-cardoso
Joyce Muriel realizou visitas missionárias em Moçambique

Foto: Gláucia Cardoso

Joyce Muriel, que há três anos faz parte do projeto Jocum ou Jovens com uma missão que cativa jovens protestantes de diversas partes do mundo reúne 18 mil missionários: 1.300 brasileiros em atividade em 180 países, faz treinamento missionário no núcleo rural do Gama (DF).

“Estar longe da família significa que você deixa tudo por algo maior. É uma questão de dependência em Deus, não dependemos de coisas”, afirmou Joyce Muriel, acrescentando que o objetivo do projeto é levar o evangelho às por meio da arte, cultura, educação e saúde. “É assim que levamos o amor de Deus. Se precisar, usamos a palavra, mas tentamos levar nossas ações”.

O estudante de medicina veterinária, Caio Paiva, 21 anos, é integrante do Cefak – Centro Espírita Fraternidade Allan Kardec, em Taguatinga Sul. Caio sempre foi participante ativo na religião e atualmente participa do grupo jovem Mocidade Espírita.

Com uma série de projetos, os jovens praticam assistência social, uma vez ao mês, em atividades como: fabricação de berços, recuperação de sapatos e organização e recuperação de roupas. “O conteúdo é sempre adaptado às etapas da juventude, pois é prezada a completa compreensão do que está sendo estudado”. Caio Paiva relembra que o evangelho espírita tem algumas diferenças, “É todo comentado por Alan Kardec, além de conter parábolas. A maior experiência é ver como aquilo que você lê reflete de forma direta em palavras diferentes na sua vida cotidiana, desde alguns provérbios antigos a explicações de condutas”.

10603490_1050656908319842_4629904051392996045_n
Daniel Veloso é um jovem pastor admirado por seus fiéis

Foto: Reprodução Instagram/@daniel_veloso

Vocação

Daniel Veloso é casado, pai, e está à espera de seu segundo filho. O jovem de 24 anos é pastor na Igreja Batista Filadélfia de Taguatinga e estudou durante dois anos e meio na faculdade de teologia Christ For The Nations Institute, nos Estados Unidos. Desde pequeno Daniel teve o desejo de tornar-se pastor, talvez por influência da família, onde mãe, pai, tios e avós seguem a mesma profissão. Daniel trabalha na Igreja em tempo integral. Ele é responsável pela comunicação e por supervisionar os jovens, além de auxiliar no ministério de ensino.

O pastor relembra o valor da evangelização “Todos estão aqui por algum propósito, temos um Senhor com um reino que precisa ser expandido, isso significa levar as boas novas para todos que convivem conosco”. E completa, “Temos a oportunidade de nos parecermos com Ele, ao falar de Jesus para alguém, crescemos em conhecimento. O evangelho é isso, é se relacionar com Cristo, não um tipo de segmento religioso”.

O pastor afirma ser de extrema importância o envolvimento dos jovens na Igreja, “Nosso ministério de jovens, o Freedom, está com a meta de ganhar mil pessoas para Jesus no próximo ano. Nosso desejo é conseguir desenvolver estratégias para que a gente possa levar a palavra do Senhor, para que elas possam ter um encontro real com Deus e ter suas vidas transformadas”. Daniel revela que é maravilhoso as pessoas que decidem levar o evangelismo adiante. “Temos que dedicar todo tempo a evangelização, onde você está você tem que viver para evangelizar. É como estar em um relacionamento com alguém, você não separa um tempo para contar para todos, as pessoas percebem isso, é algo natural”.

perfil-jovens-missionarios-glaucia-cardoso
Guilherme Rosa é um aspirante a padre e super conectado às redes sociais

Foto: Gláucia Cardoso

“Tudo que move é sagrado”

O trecho da música Amor de índio, de Beto Guedes, é uma das prediletas de Guilherme Souza Rosa. O sotaque carregado, traz vestígios de sua origem interiorana, de Jacareí, no Vale do Paraíba, é a marca do caçula de três filhos. Aos 11 anos, ele assumiu a coordenação da Pastoral da Juventude e desde então, dedicou a vida à Igreja Católica.

Após 6 anos como líder do grupo jovem, Guilherme Rosa foi convidado a cuidar do Santuário de Ribeirão Cascalheira, no Mato Grosso. Mas logo depois, passou a ser alvo de ameaças por causa do trabalho social que desenvolvia na região e o obrigou a retornar para a cidade natal. O que era mágoa se transformou em combustível para fortalecer sua e a propagá-la à outras pessoas.

Agora, aos 19 anos, Guilherme Rosa chegou à Brasília com um novo propósito: ingressar no seminário Oblatos de Cristo Sacerdote, onde permanecerá por cerca de dez anos até completar sua formação e ser ordenado padre. Emocionado, ele lembra o que ouviu da ex-namorada: “Fico triste é saber que, a quem você escolheu seguir, eu não posso competir”.

Desistir nunca passou pela cabeça do seminarista. Mesmo que, por vezes, Guilherme Rosa afirme sentir vontade de se unir a amigos em confraternizações, compreende que a renúncia é por um motivo maior, o sacerdócio. Ele é ordenado com votos de pobreza, castidade e obediência, contudo, o futuro padre acredita que a obediência é o mais difícil de cumprir, pois para tudo é necessária permissão.

“Se a sua vocação for a vontade de gritar para o mundo que este amor não tem fim, ela é verdadeira. Quando colocamos uma túnica e subimos no altar, percebemos o quanto vale a pena aquilo que escolhemos”, expressou. Ele, que é conectado e envolvido com as redes sociais, acrescentou: “Devemos anunciar e denunciar, independente das consequências.” O jovem precisa passar por avaliação superior antes de postar qualquer conteúdo na rede.

Foto de capa: Reprodução YouTube/Comunidade Colo de Deus