Tá na mão

Aplicativos do governo para smartphones e tablets podem diminuir filas e até descomplicar a vida da população

 

Jacqueline Santana

 

É só observar ao redor para ver pelo menos uma pessoa com olhos vidrados na tela do aparelho celular. Checar e-mails e acessar redes sociais são as principais funções utilizadas pelos usuários em seus smartphones. A empresa eMarketer estima que 46,7 milhões de pessoas no Brasil terão um smartphone com acesso à internet em 2015. Com mais de 202 milhões de pessoas, 48% da população brasileira possui acesso à internet, segundo dados da Pesquisa Brasileira de Mídia 2015.

Já que a tecnologia está na palma da mão dos brasileiros, os governos federal e estaduais estão investindo em ferramentas digitais para facilitar a vida dos cidadãos. No site oficial Guia de Aplicativos do Governo Federal estão disponíveis gratuitamente 64 aplicativos para a população. Desde canais como o Protejabrasil, da Secretaria de Direitos Humanos, que orienta como denunciar a violação de direitos de crianças e adolescentes, até o da Loterias Caixa, onde é possível verificar os resultados dos jogos.

Em alguns estados brasileiros o governo utiliza aplicativos a serviço da população. Como no caso da Bahia, que usa a ferramenta do SineBahia para fazer uma ponte entre o profissional e o mercado de trabalho. O sistema já ajudou mais de 1 milhão de pessoas a encontrarem um emprego. Cerca de mil pessoas procuram diariamente o serviço de intermediação de mão de obra nas 120 unidades do estado.

No Distrito Federal, a tentativa é de aproximar os brasilienses dos serviços públicos. Com uma frota de mais de 1,5 milhão de automóveis, o Departamento de Trânsito (Detran-DF) lançou seu próprio aplicativo em busca de ajudar os usuários e encurtar as filas de atendimento. “Vários usuários procuram o Detran para saber o motivo de não terem recebido seus documentos. Pelo aplicativo, pode ser consultado o motivo e é possível gerar os boletos para serem pagos”, explica Raul Soares, da Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação do órgão.

A rede de internet sem fio Sin@al Livre, do GDF, é gratuita e não precisa de cadastro. Ela está localizada nas estações do metrô como na Central, Galeria, Feira e Águas Claras, além da Rodoviária do Plano Piloto, Estádio Nacional de Brasília, Planetário e a área da Torre de TV.

Com tantas reclamações por tempo de espera, bancos também criaram meios para simplificar a vida de seus clientes. Prezando por comodidade, a estudante de jornalismo Ana Beatriz Velozo, 19 anos, realiza a maioria das transações bancárias pelo aplicativo do seu banco: “A única coisa que não confio é no saque programado, mas faço recargas e pagamentos de compras online”.

A advogada Ana Patrícia Oliveira, 26 anos, conta que já usou a ferramenta da Caixa para serviços bancários e pessoais. Ela diz que o uso facilitou o acesso e que não precisa enfrentar filas. Já com o intuito profissional, a advogada utilizou o canal do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp) pelo celular, onde conseguiu verificar placas e CPF’s. “Esses aplicativos permitem solucionar problemas sem um deslocamento ou stress desnecessário que ocorre pela falta ou mau atendimento”, conta.

 

 

Foto de capa: Rafael Neddermeyer/Fotos Publicas