Vaidade masculina impulsiona mercado

Indústria da beleza se adapta às demandas do público de acordo com a procura dos clientes

Isabella Cantarino e Valéria Melo

 

Popular e bastante utilizado pelas revistas de beleza, o termo metrossexual é originado da junção das palavras “metropolitano” e “sexual”. O significado se refere a um homem urbano que está sempre preocupado com a própria aparência e investe alto em prol da vaidade. A procura por novos serviços modificou o mercado da beleza, e adaptações foram necessárias.

De acordo com o professor de filosofia, Clayton Vieira, os metrossexuais se caracterizam pela preocupação com a aparência de forma geral, desde o exibicionismo do corpo até a forma de se vestir, e aponta a indústria como influenciadora e ditadora de parâmetros: “Não podemos nos esquecer que o mercado acompanha e desenvolve propagandas para reforçar essa opção de vida”.

Além dos espaços voltados para homens e mulheres, surgiram também aqueles que recebem apenas o público masculino, como acontece em estabelecimentos localizados em Águas Claras. Os locais oferecem limpeza de pele, massagens, hidratação, podologia e depilação.

De acordo com o proprietário de um salão de beleza para homens, Gilberto Salgado, o local alcançou em menos de um ano e meio o número aproximado de mil clientes.

Assim como os salões de beleza, as clínicas de estética também registram o crescimento e a procura por serviços masculinos. Após um ano, a recepcionista Samylla Rocha nota o dobro da participação dos homens em procedimentos estéticos. E diz que se antes as mulheres eram maioria a se interessar por cirurgias plásticas e depilações a laser, hoje eles lideram o ranking de procura por essas técnicas.

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, em 1994 a participação dos homens em cirurgias era de 5%, atualmente esse número passou para 20%.

 

Investimento

A proprietária de uma clínica de estética, Vanessa Resende, explica que a atenção com o marketing da empresa influencia diretamente na procura dos novos consumidores. “Aqui nós temos o cuidado de colocar um homem na recepção para não inibir o cliente de entrar. Buscamos fazer campanhas masculinas para atrair ainda mais o público, que só vem crescendo com o passar dos anos”, explica.

Apesar da grande procura, profissionais da área como cabeleireiros, depiladores e esteticistas afirmam que ainda há certa preocupação na busca por determinados serviços. Uma das exigências dos homens que procuram os cuidados oferecidos por clínicas de estética é a privacidade.

 

Vaidoso, sim!

Phillipe Berlinck acha que não extrapola nos gastos com a beleza (Natalia Santos)

A vaidade do estudante de publicidade Phillipe Berlinck, 23 anos, foi gerada a partir da insatisfação com a própria imagem, o que instigou a busca pela autoestima. Phillipe sempre procura por produtos de beleza, e diz que aos poucos o mercado tem se adequado com novas tendências e sites de vendas. “Está se tornando mais fácil. Dá para perceber pela segmentação de linhas de produtos, sites e blogs, coisa que antes era bem mais difícil de se encontrar”, relata.

O estudante se encaixa nos padrões que definem os metrossexuais.  E apesar de realizar diversos cuidados com a aparência, fica atento para que a prática não saia de controle. “Não faço ideia do quanto já gastei, mas tenho o cuidado de não gastar demais e comprometer todo o meu dinheiro”, conta.

A farmacêutica Allergan, com o apoio da Sociedade Brasileira de Demartologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, realizou uma pesquisa este ano com mais de 1500 homens entre 26 e 35 anos. O estudo concluiu que 25% dos participantes aplicam toxina botulínica, e 48% fazem uso de cremes anti-idade.

Ainda de acordo com a pesquisa, 80% estão insatisfeitos com a própria aparência e procuram por serviços para a melhoria da estética. Dessa forma pode-se confirmar que o público masculino se interessa cada vez mais pelo mercado da beleza.

 

Foto de capa: Natalia Santos

Imagens da galeria: Divulgação